Município participa na edição da obra completa do Marquês de Pombal

Por: Rita Ribeiro
28-03-2019


A Câmara Municipal de Pombal aprovou, por unanimidade,o protocolo de cooperação relativo ao projeto de investigação e preparação da edição da Obra Completa Pombalina, um documento que define os termos da cooperação entre o Município, como Mecenas Promotor, e o Instituto Europeu de Ciências da Cultura Padre Manuel Antunes, como entidade gestora.

Este projeto de investigação pretende “editar a obra completa relacionada com Sebastião José de Carvalho e Melo – Marquês de Pombal – juntando numa só obra todo o acervo com os documentos escritos ou atribuídos ao Marquês, ou que tenham sido escritos sob a sua orientação direta, num projeto que terá uma duração de cinco anos”, revela a autarquia.

A realização deste projeto é tida de “maior importância para o concelho de Pombal e para o enriquecimento do seu Património histórico, cultural e identitário”, constituindo um importante legado e uma relevância maior que o seu nome pode trazer para a promoção territorial do concelho.

É também tida como uma importante oportunidade de “promover o vasto espólio documental sobre a obra de Sebastião José de Carvalho e Melo de que são detentores o Arquivo Municipal e do Museu Municipal Marquês de Pombal, e cuja difusão na edição da obra completa Pombalina constitui uma inegável mais-valia para o concelho de Pombal”, realça a edilidade.

O montante global deste investimento ascende a um milhão e cinquenta mil euros, em que o Município de Pombal tem uma comparticipação de 150 mil euros, a ser feito ao longo de cinco anos, num investimento municipal anual de 30 mil euros.

Para além de Pombal, irão também assinar o protocolo os Municípios de Oeiras e Lisboa, com a contribuição de 200 mil euros, cada, a Universidade de Coimbra, com o mesmo valor, e a Fundação Marquês de Pombal, a Fundação Millennium BCP e o Grupo Jerónimo Martins, que disponibilizam o montante de 100 mil euros, cada.

A coordenação científica da obra fica sob a responsabilidade da Cátedra Infante Dom Henrique para os Estudos Insulares Atlânticos e a Globalização, sediada na Universidade Aberta, ficando a gestão financeira do projeto a cargo do Instituto Europeu de Ciências da Cultura Padre Manuel Antunes.

Publicidade
Últimas