Estofador condenado a seis anos e meio de prisão por disparar sobre ex-funcionária

Por: Rita Ribeiro
25-02-2019


O Tribunal de Leiria condenou, na passada terça-feira, 19 de Fevereiro, a seis anos e meio de prisão o homem que atingiu uma funcionária a tiro numa perna, por ela recusar sexo, tendo ainda dirigido ameaçado de morte à mãe da vítima. Os fatos remontam a 2016, altura em que o estofador disse depois às autoridades que a oficina tinha sido assaltada.  

José Nunes, 65 anos, conhecido por Zé Estofador, foi condenado por tentativa de homicídio simples agravada pelo resultado, coação e ameaça agravadas, dano, simulação de crime e detenção de arma proibida. O arguido foi ainda condenado a pagar uma indemnização de 50 mil euros à vítima, de 22 anos. A jovem foi atingida numa perna e ficou com sequelas permanentes, caminhando com muletas. 

coletivo de juízes alterou a qualificação jurídica do crime de homicídio qualificado na forma tentada para homicídio simples na forma tentada, agravado pelo uso de arma. Além deste crime, o empresário de 65 anos, foi condenado pelos crimes de detenção de arma proibida, coação agravada, ameaça agravada e simulação de crime. 

Ao tribunal, o arguido, que explorava uma oficina de estofos em Pombal, confessou que disparou sobre uma ex-funcionária de forma acidental, negando parte da acusação, que refere que o suspeito ameaçou a jovem. No entanto o coletivo de juízes admitiu que a “a arma não dispara sozinha”. 

Durante o seu depoimento, o arguido admitiu que tinha "dado uns beijinhos" à ex-funcionária, uma jovem de 22 anos, mas desmentiu que a tivesse ameaçado de morte, assim como à sua mãe, quando a vítima se quis despedir. 

Versão diferente foi apresentada pela vítima, segundo avança o diário Correio da Manhã. Num testemunho muito emocionado, sempre a chorar, a jovem disse que foi ameaçada de morte dias antes e que aceitou ir à oficina entregar a chave para proteger a mãe, a quem o arguido também tinha proferido as mesmas ameaças. 

Publicidade
Últimas