Julgamento do processo sobre reconstrução de casas em Pedrógão Grande começou hoje em Pombal

Por: Marta Botas
26-10-2020


Começou esta segunda-feira, no Auditório Municipal de Pombal, o julgamento do processo sobre a reconstrução das casas que arderam no incêndio de 2017, após pedido de prorrogação de prazo por parte da defesa.

O julgamento realiza-se em Pombal por não ser possível garantir o distanciamento entre todos os presentes na sala principal do Tribunal Judicial de Leiria, tendo em conta o número de arguidos e respetivos defensores em julgamento coletivo.

No processo estão acusadas 28 pessoas, das quais três pediram a abertura de instrução, nomeadamente o ex-vereador Bruno Gomes, o construtor civil João Paiva e o presidente da Câmara Municipal de Pedrógão Grande, Valdemar Alves, acusado de vários crimes no processo de reconstrução das casas.

Valdemar Alves e Bruno Gomes vão responder por 20 crimes de prevaricação de titular de cargo político, 20 crimes de falsificação de documento e 20 crimes de burla qualificada, de que estavam indiciados na acusação do Ministério Público (MP). Já João Paiva está acusado de um crime de burla qualificada e outro de falsificação de documentos.

O MP de Coimbra deduziu acusação contra 28 arguidos no âmbito do inquérito que investiga alegadas irregularidades no processo de reconstrução das casas que arderam no incêndio e, segundo explicou fonte judicial à Lusa, o processo foi para Leiria devido à "competência territorial".

O incêndio, que deflagrou no dia 17 de junho de 2017 em Escalos Fundeiros, no concelho de Pedrógão Grande, distrito de Leiria, acabou por alastrar aos concelhos vizinhos e provocou um total de 66 mortos e 253 feridos, além de ter destruído cerca de 500 casas, 261 das quais habitações permanentes, e 50 empresas.

Publicidade
Últimas