Sociedade Filarmónica Louriçalense lançou livro “Louriçal, Monumentos e suas gentes”

Por: Marta Botas
08-09-2020


Decorreu durante a manhã do passado domingo, 6 de setembro, no auditório da Caixa Agrícola do Louriçal, o lançamento do livro comemorativo do 195º aniversário da Sociedade Filarmónica Louriçalense.

Intitulado “Louriçal, Monumentos e Suas Gentes”, o livro da autoria de Célio Dias apresenta um álbum de memórias que, em cerca de meia centena de páginas, conta não só a história daquela que é a Filarmónica mais antiga do concelho de Pombal e a quinta mais antiga a nível nacional, mas também a história de toda uma região.

Além do autor do livro e da camada jovem da banda Filarmónica, a cerimónia simbólica de apresentação do livro contou com a presença de António Carvalho, provedor da Santa Casa da Misericórdia; Diamantino Leal, Diretor da Caixa de Crédito Agrícola Mútuo de Pombal (CCAMP); Tomé Lopes, Diretor do Intermarché de Pombal, Condeixa, Marinha da Guia; José Manuel Marques, Presidente da Junta de Freguesia do Louriçal; Diogo Alves Mateus, Presidente da Câmara Municipal de Pombal; vereadora Ana Cabral; Professores  Eduardo Santos e Mário Lino; e de Manuela Fonseca, em representação da diretora da Direção Regional de Cultura do Centro (DRCC).

Mário Lino apresentou num discurso que conduziu os presentes numa viagem de comboio pela linha do Oeste, entre o Louriçal e Caldas da Rainha. Pelo meio descreveu o livro como “um túnel interpretativo com mais de meio milhar de páginas, onde se pode de facto constatar cronologicamente toda a história da filarmónica do Louriçal” e concluiu que “o autor teve como objetivo maior homenagear a filarmónica, numa perspetiva extensiva de homenagem ao povo do Louriçal”.

“É um livro cheio de História. É um livro cheio de memórias”, acrescentou o Professor Eduardo Santos.

Para o autor, Célio Santos, o livro que acaba de lançar “é uma forma de voltar atrás no tempo” e de recordar as pessoas e os monumentos da terra.

“A pessoa que me deu mais força para iniciar esta obra e acabar este puzzle não está entre nós”, contou, emocionado, referindo-se ao seu pai, a quem dedica a obra.

Classificando o livro como uma “obra excelente”, José Manuel Marques afirmou que o mesmo faz jus à história da banda, do Louriçal, das gentes e da região, e apelou ao autor para que dê continuidade à obra.

“Que todos valorizem esta obra, que com certeza foi feito com muito amor, carinho e trabalho”, recomendou o Presidente da Junta de Freguesia do Louriçal.

Diogo Mateus considerou que o livro é um “tributo” para o território.

“Esta obra abre-nos uma porta interessantíssima para o Louriçal”, afirmou o Presidente do Município de Pombal, salientando que se trata de “uma obra participada, que envolve toda a comunidade” e que contou com “uma grande participação popular e institucional”.

O livro, que contou com o apoio da Direção Regional de Cultura do Centro (DRCC), do Município de Pombal e da Junta de Freguesia do Louriçal, será brevemente apresentado a toda a comunidade.

Num ano atípico em que, segundo Célio Dias, a Filarmónica terá perdido 24 serviços, o livro apresenta-se como uma alternativa para fazer face às dificuldades financeiras que se fazem sentir por efeito da pandemia de Covid-19.

Publicidade
Últimas