Concelhia do PS preocupada com a "instabilidade" que se vive na Câmara de Pombal

Por: Patrícia Ribeiro
24-03-2020


É com "preocupação e reserva" que a Comissão Política Concelhia do Partido Socialista (PS) está a acompanhar a situação de "instabilidade" que se vive, atualmente, na Câmara Municipal de Pombal, causada pela retirada de pelouros a mais um vereador da autarquia.

Depois de, em outubro de 2019, ter retirado os pelouros atribuídos ao vereador Pedro Brilhante, deixando-o em "regime de não permanência", o presidente do executivo municipal, Diogo Mateus, acaba de afastar mais um vereador das suas funções. Desta vez foi Ana Gonçalves, que detinha as pastas da Cultura, Recursos Humanos, Turismo e Transportes Urbanos, exercendo funções desde 2009, sendo, por isso, na opinião dos socialistas, um "elemento de peso" do executivo.

Uma decisão, até agora sem qualquer explicação, que causou, também, "alguma indignação" no seio da Concelhia do PS, presidida por Odete Alves, ainda para mais, porque foi tomada numa altura em que se "necessita de um executivo forte e coeso, que seja capaz de assumir a responsabilidade que o momento exige a favor do bem comum, e não esta instabilidade que insiste em manter", afirmaram os socialistas, num comunicado enviado à Pombal TV, no qual acusam o autarca de estar mais preocupado com os seus caprichos e interesses do que com os interesses da população. "Mais uma baixa neste executivo camarário do PSD que insiste em focar a sua atenção em quezílias internas e nos interesses de poucos, em plena crise nacional e mundial. O país e o mundo está a lutar contra uma pandemia, mas na Câmara Municipal de Pombal a emergência é outra. Mais uma vez, como já vem sendo hábito, e enquanto cá fora os pombalenses e o país combatem um inimigo real, letal e invisível, Diogo Mateus prefere combater os inimigos das suas vontades, dos seus caprichos e das suas ambições", criticaram.

No mesmo documento, criticam também o edil por, até ao momento, não ter dado qualquer esclarecimento ou motivação para este desfecho. "A concelhia de Pombal do PS e os munícipes ficam, assim, sem perceber que factos ou atos deram origem a esta súbita e inesperada decisão, qual a sua gravidade e que possíveis danos possam ter resultado para o interesse público. Porque só atos e factos de altíssima gravidade justificam o tempo escolhido para fazer estas alterações no executivo", consideraram, exigindo "explicações e argumentos válidos".

Terminam, garantindo que o Partido Socialista "tudo fará" para apurar os factos, agindo "em conformidade" e "sempre no interesse do concelho de Pombal e dos seus munícipes".

Publicidade
Últimas