Movimento NMPH acusa executivo de falta de “determinação” na plantação de eucaliptos

Por: PombalTV
28-08-2018


O movimento independente, liderado por Narciso Mota, acusa o actual executivo camarário, liderado por Diogo Mateus, de não ter “determinação, capacidade de decisão e liderança” para impedir a plantação de eucaliptos junto do perímetro urbano de Pombal.

Para o movimento Narciso Mota Pombal Humano (NMPH), “o executivo tem ao seu alcance meios processuais de natureza cautelar que impeçam novas plantações de eucaliptos” a que pode recorrer, “em vez de protelar e adiar (mais uma vez) a resolução do problema”.

Segundo a maior força política do concelho, “as estatísticas mostram que em todo o país, em 2017 (ano das tragédias que todos tristemente recordamos) se atingiu um valor recorde de 18.500 hectares de plantações de eucaliptos”, o movimento encabeçado pelo anterior presidente de Câmara, Narciso Mota, considera que “o executivo liderado por Diogo Mateus não pode continuar a ‘assobiar-para-o-lado’ como se nada estivesse a acontecer”, uma vez que estará “em causa o superior interesse colectivo, a segurança da população de Pombal, o planeamento e ordenamento do nosso concelho”.

“Esta mesma postura e forma de (não) actuação é igualmente evidente no estado de abandono a que estão votados equipamentos públicos como jardins, mobiliário urbano, edifícios e obras recentes, num desleixo que em nada se coaduna com os investimentos efectuados”, adianta, em comunicado, considerando que tal dá “uma má imagem a quem nos visita e aos pombalenses”.

Apesar de não se opor à “intenção de solicitar uma auditoria aos procedimentos de licenciamento do ICNF a tais plantações”, anunciada na última reunião de Câmara pelo presidente da autarquia, os eleitos pelo NMPH consideram que “não chega”. Afinal, “é sabido que tal só produzirá eventuais resultados e conclusões a médio ou a longo prazo sendo que até lá, os eucaliptos continuarão a crescer e poderemos continuar a assistir a eventuais novas plantações, naquilo que, como já por várias vezes alertámos e na nossa opinião, constituirá uma violação do PDM”, admite.

Publicidade
Últimas