Sete acusados no caso dos colégios do grupo GPS

Por: Rita Ribeiro
28-03-2018


Cinco administradores do grupo de ensino particular GPS (Gestão e Participações Sociais), o ex-secretário de Estado Adjunto e da Administração Educativa e o ex-diretor regional de educação de Lisboa foram acusados pelo Ministério Públio (MP) pelos crimes de “corrupção ativa e passiva, peculato, falsificação de documento agravada, burla qualificada e abuso de confiança qualificado”.

Segundo a acusação do MP, os arguidos apoderaram-se alegadamente de mais de 30 milhões de euros do Estado, que estariam destinados aos colégios que administravam através de contratos de associação entre os anos de 2005 e 2013.

A acusação diz ainda que o dinheiro recebido terá sido usado para benefícios dos administradores arguidos no processo e seus familiares. Entre 2005 e 2012 os arguidos beneficiaram de viagens pessoais pagas pela GPS-SGPS, num total superior a 130 mil euros, adquiriram mobiliário no valor de 64 mil euros, pagaram faturas em restaurantes no valor total de 44 mil euros, compraram bilhetes de espetáculos e vinhos “generosos” que custaram mais de 7 mil euros.

Compraram ainda diversos carros de luxo, através do grupo, “posteriormente revendidos, por preço inferior, a familiares ou pessoas da sua confiança”.

Em declarações à Agência Lusa, o grupo GPS defendeu que a acusação do Ministério Público contém “um conjunto de incongruências” que “poderão ferir de morte a esta acusação”.

“É absolutamente extemporâneo o Grupo GPS ter uma posição sobre a acusação. Este processo tem pelo menos 1 885 dias, e recebemos a acusação há 24 horas. Estamos a analisar de forma aprofundada a peça” pode ler-se na nota enviada à agência lusa.

Publicidade
Últimas